GRAMAS

Grama Esmeralda - Zoysla Japônica


Indicações:
Grama de ampla adaptação às condições brasileiras, sendo usada de Norte a Sul. De grande uso em Jardins residenciais, sua rusticidade vem convencendo consumidores e profissionais para seu uso em áreas públicas, áreas industriais e urbanas. Seus fortes rizomas e sistema radicular a tornam bastante usada na contenção de taludes e em áreas de potenciais problemas de erosão. É a grama mais utilizada no Brasil em campos de futebol, principalmente pela sua resistência ao pisoteio. Durante anos foi a grama do Maracanã (RJ) e do Mineirão (MG).

Características:
Grama de crescimento rizomatoso de foljas estreitas e médias de cor verde vivo podendo chegar a um verde mais forte, chegando a um grama levemente azulado que forma um gramado denso e bonito. Tem estolões abundantes, que em condições ideais se propagam podendo expandir a área do gramado. Grama de clima quente. Adapta-se bem a áreas ensolaradas e semi-sombreadas (mínimo de 6 horas por dia). Grama rústica que se adapta a solos pobres, porém desenvolve-se menos, principalmente quando o pH é menor que 5,5.
Crescimento lento, porém abundante, no verão o crescimento se intensifica e requer maior manutenção. A esmeralda tem excelente resistência à secas, desde que o gramado já esteja bem formado, com ausência de água no período do plantio pode ocorrer morte das mudas. Excelente tolerância aos pisoteio. Após o dano, sua recuperação é rápida nos meses quentes. Boa resistência quando propriamente mantida. Um gramado denso competirá contra presença de inços. Tolera aplicações de herbicidas seletivos. A Esmeralda demonstra excelente tolerância a insetos em geral.

Diferencial:
De uma beleza exuberante, forma um perfeito tapete de grama pelo entrelaçamento dos estolões com folhas. Tem excelente resistência ao pisoteio e alto poder de regeneração principalmente nos meses quentes.

Origem:
A grama Esmeralda é originaria da Ásia, principalmente do Japão. Faz parte de um gênero de gramas que engloba três espécies principais: Zoysia Japônica, Zoysia matrella e Zoysia tenulfolla.

Curiosidade:
Foi introduzida nos EUA em 1985. No Brasil, foi introduzida no início da década de 80 e gerou diversas variedades melhoradas.